Posts tagged ‘Construção Sustentável’

Prêmio: práticas comerciais ecológicas e sustentáveis

Fonte: http://g1.globo.com/economia/noticia/2013/01/press-release-from-business-wire-eltek-1.html

PLANO, (BSW) – A Eltek, líder mundial em sistemas energéticos de alta eficiênciapara projetos de telecomunicações, aplicações industriais e energia renovável, anunciou hoje que uma revolucionária instalação de energia solar no Brasil alimentada por inversores THEIA HE-t de alta eficiência da Eltek, recebeu um prêmio que reconhece as práticas comerciais ecológicas e sustentáveis.

O prêmio do Sebrae-MG foi ganho pela PGM Systems, cliente da Eltek, em disputa com 93 inscritos. O Brasil possui um direcionamento bastante ecológico e a premiação, atualmente em seu segundo ano, foi concebida para estimular a inovação tecnológica, assim como a eficiência, lucratividade e sustentabilidade em micro e pequenos negócios. A PGM é uma empresa de software que instalou um sistema solar fotovoltaico em seu prédio para reduzir o seu impacto no meio ambiente e também seus gastos, já que está localizada em uma região onde os custos com tarifas de serviços públicos são reconhecidamente as mais altas do Brasil.

A instalação foi feita pela Econova, parceira da Eltek. O sistema contém 28 painéis fotovoltaicos de 235 Watts. A central elétrica com 6,6 kW DC tem o suporte de dois inversores de rede Eltek THEIA HE-t de alta eficiência.

O THEIA HE-t da Eltek fornece desempenho de inversão que alcança ou ultrapassa as expectativas de dispositivos de energia renovável utilizados em sistemas fotovoltaicos conectados à rede. Certificado para uso nos mercados americano, asiático e europeu, o inversor também obteve a certificação SunSpec Alliance, provando que o mesmo satisfaz as especificações globais de interoperabilidade. Ele ganhou diversos prêmios de projeto e desempenho para a Eltek.

Os inversores THEIA HE-t se encaixam perfeitamente na implementação de energia solar da PGM Systems porque a sua alta eficiência é ideal para esse tipo de ambiente, onde a produtividade é essencial. O inversor também possui servidores web incorporados que permitem que a PGM, fornecedores e o Estado monitorem a situação da central da PGM e tirem conclusões a partir dos dados coletados.

‘Essa instalação está em um dos mais fortes mercados para energia solar no Brasil’, disse Alberto de Leon, diretor de vendas para energia renovável da Eltek nas Américas. ‘Esse reconhecimento coloca os holofotes sobre a incrível tecnologia da Eltek, em seus parceiros e em sua posição de mercado, e nos ajuda na construção de uma relação com os serviços públicos, dando um bom ponto de referência para futuros negócios’.

Leves e compactos, os inversores THEIA HE-t apresentam um conjunto flexível de conexão, visor colorido com iluminação de fundo e servidor web integrado para configuração rápida e uma fácil operação.

A linha de produtos Eltek THEIA HE-t agora está disponível por meio da equipe de vendas mundial da Eltek.

Sobre a Eltek

A Eltek é uma líder de tecnologia em soluções de alta eficiência em energia para aplicações industriais e nas telecomunicações. A empresa também tem um negócio em expansão nos mercados renováveis, como os de inversores de rede fotovoltaica e carregadores para veículos elétricos. Sediada em Drammen, Noruega, e com uma sede para as Américas em Plano, Texas, as operações globais da empresa empregam aproximadamente 2.900 pessoas, com escritórios em 40 países e vendas em mais de 100 países.

No Brasil, a Eltek é a líder na fabricação de sistemas de alimentação em sua fábrica de 8.000 metros quadrados em São José dos Campos, SP, empregando mais de 180 associados.

Outras informações estão disponíveis em:http://www.eltek.com.

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Contact

Contato com a imprensa norte-americana The David James Agency LLC David Rodewald / Karen Freedman +1 805 494-9508 eltek@davidjamesagency.com

This material is not an AFP editorial material and AFP shall not bear responsability for the accuracy of its content. In case you have any questions about the content, kindly refer to the contact person mentioned in the text of the release.

End of the Business Wire’s Press Release

 

Anúncios

20/03/2013 at 10:05 Deixe um comentário

Análise de eficiência energética para o Fórum do Meio Ambiente e da Fazenda Pública – TJDFT: Projeto Zanettini Arquitetura

Vertes analisa o Fórum do Meio Ambiente –  um projeto sustentável da equipe Zanettini Arquitetura

O partido adotado retratou a concepção dinâmica e inovadora, valorizando a identidade arquitetônica do edifício e atendendo ao plano urbanístico local e aos critérios  da certificação LEED do USGBC, através de um extenso trabalho e consultoria especializada desde a concepção inicial. A integração de um conjunto de conceitos multidisciplinares, onde todas as disciplinas projetuais criaram e inovaram, influenciou significativamente no resultado final da arquitetura.

A edificação foi implantada longitudinalmente no eixo noroeste-sudeste.  Assim, sua circulação horizontal principal cruza diagonalmente os limites do lote, permitindo o máximo aproveitamento da ventilação cruzada e iluminação natural  nos ambientes internos e a criação de terraços verdes e vazios em todos  os pavimentos, humanizando o ambiente de trabalho.

As superfícies envidraçadas norte e sul são adequadamente protegidas pelos terraços em balanço ou por telas em aço inoxidável, tensionadas e afastadas 80 cm da fachada, garantindo o sombreamento desejável e o conforto de seus usuários, além da conseqüente economia de energia, pelo abrandamento da carga térmica interior.

As superfícies leste e oeste são cegas, evitando a incidência da radiação solar direta  e ganhos térmicos indesejáveis oriundos destas orientações.
A estrutura em aço que se desenvolve em uma malha de 1,25×1,25m, lajes steel deck, fechamentos e divisórias em dry-wall, proporcionam espaços e sistemas flexíveis, permitindo fáceis alterações futuras e prolongando a vida útil do edifício com qualidade, maior agilidade no processo construtivo e um canteiro de obras mais limpo.

Por tanto, a proposta aborda o desafio de minimizar o impacto ambiental da construção, resultando em ambientes internos e externos que garantam o conforto ambiental  do usuário; eficiência energética do edifício e sistemas; possibilidade de utilização de energia limpa; economia de água com reutilização de águas cinzas e pluviais para fins não potáveis e adoção de metais eficientes; e integração com a paisagem do entorno.

Projeto arquitetônico x Modelo termo-energético

Economia de energia do modelo proposto

O edifício foi modelado em duas etapas: a primeira de forma a descrever suas formas geométricas e propriedades de materiais e a segunda de forma a descrever o uso e sistemas internos, ambos respeitando as características de maior importância nos fenômenos de transferência de calor associados. A figura acima apresenta imagem da volumetria gerada para o edifício através do programa SketchUp, com as zonas térmicas consideradas, parte da primeira etapa da modelagem.

Da mesma forma, materiais de cobertura e outros detalhes são inseridos no EnergyPlus sem possibilidade de representação gráfica na figura, tanto na primeira quanto na segunda etapa. No entanto, sabe-se que os projetos fornecidos são a base para a modelagem

A simulação termo-energéticas atenderam aos requisitos exigidos para as horas não atendidas para resfriamento em todos os modelos de acordo com a ASHRAE Standard 90.1 de 2007. A comparação de custos por consumo e demanda da energia elétrica apresentou uma economia de 22,4% no modelo proposto se comparado com a média dos modelos baseline. Este resultado atende o percentual mínimo exigido no LEED–NC e permite ainda obter uma pontuação adicional na classificação geral da edificação.

03/09/2012 at 21:02 Deixe um comentário

Alpha Business | Campinas – SP: nível A em projeto e edifício construído pela etiquetagem do INMETRO

Ahpha Business | Campinas/SP

Arquitetura: Primi & Appoloni

Projeto luminotécnico: Vertes Arquitetura Bioclimática e Eficiência Energética

Localização: Alphavile – Campinas – São Paulo

Área construída: 31.905,91 m²

Ano do projeto: 2009-2011

No mundo dos negócios quem pensa no futuro sai na frente. É por isso que escolher um lugar onde a sustentabilidade é prioridade e a valorização dos espaços é uma certeza, faz parte do planejamento de quem quer fazer sucesso. Alphabusiness Green Complex. Um lugar à frente do seu tempo, para profissionais à frente do mercado.

O Alpha Business Green Complex é o primeiro empreendimento a receber a certificação no estado de São Paulo. Obteve etiquetas nível A tanto em projeto quanto em edifício construído (assessoria Vertes Arquitetura). O complexo possui vidros de alto desempenho, eficiência na envoltória e nas áreas comuns e conta também com um projeto luminotécnico eficiente (projeto Vertes Arquitetura).

O complexo conta com coleta seletiva de lixo; utiliza poços absorventes para reaproveitamento de águas pluviais; redução de impactos ambientais no canteiro de obras e em seu entorno, com utilização racional dos recursos; conservação de energia e gerenciamento ecológico de resíduos; triagem de resíduos da obra e destinação para reciclagem e reaproveitamento; área verdes permeáveis e redução de áreas pavimentadas; implantação de espécies nativas da flora no paisagismo, adaptadas às condições climáticas do local; uso de tecnologias e equipamentos para redução do consumo de água e energia nas áreas comuns e nas unidades.

Com relação à otimização da eficiência energética da edificação, o empreendimento Alpha Business foi assessorado pela Vertes, para submeter o projeto à metodogia da Etiquetagem Nacional de Conservação de Energia (ENCE), do INMETRO. Neste âmbito, foram analisadas as propriedades térmicas dos componentes das paredes e coberturas. A envoltória da edificação apresentou um bom desempenho térmico e energético, devido à boa combinação das estratégias utilizadas, como isolante termo-acústico nas coberturas, revestimentos externos claros, áreas envidraçadas de alto desempenho, vidro com baixo fator solar (vidros que impedem ganhos excessivos de calor), entre outros.

Ainda, para alcançar a classificação mais elevada da ENCE, a edificação conta com sistemas eficientes de iluminação artificial (aproveitamento da iluminação natural, controle automático de desligamento, uso de luminárias, lâmpadas e reatores eficientes).

No dia 30 de novembro de 2011, a edificação construída recebeu a ENCE parcial, sendo a primeira etiqueta nível A do país no estado de São Paulo. Fotos no momento da inspeção:

20/06/2012 at 12:23 Deixe um comentário

Ecohabitat na Construir mais por menos

Ecohabitat – Casa modelo com projeto mais sustentável

A revista Construir Mais por Menos deste mês está com uma bela reportagem sobre a Casa Modelo. São 6 páginas de muita informação sobre a obra mostrando como uma casa sustentável pode ser econômica tanto na construção como na manutenção.

Arquitetura: Ecodhome

Fotografias: Divulgação

Para garantir a sustentabilidade da residência, foi realizada uma análise dos materiais e de índices de conforto ambiental pela VERTES, seguindo os critérios do RTQ-R. A partir dessa análise indentificou-se a classificação de eficiência  que residência obteria.

A Vertes esteve na Ecohabitat e pode verificar de perto as estratégias utilizadas, o conforto ambiental garantido pelos projetos de iluminação e ventilação natural adequados!

Veja também a análise completa Ecohabitat!

24/04/2012 at 16:29 Deixe um comentário

Ecohabitat – Uma construção mais sustentável – Análise de Eficiência Energética de ENVOLTÓRIA – Florianópolis/SC

Ecohabitat – Análise do desempenho térmico da ENVOLTÓRIA

Para garantir a sustentabilidade da residência, foi realizada uma análise dos materiais e de índices de conforto ambiental pela  VERTES, visando obter o nível de eficiência energética da edificação. Ainda, fez-se uma simulação da ENVOLTÓRIA, caso esta fosse submetida à etiqueta do INMETRO, seguindo os critérios do documento Requisitos Técnicos da Qualidade de Eficiência Energética de Edificações Residenciais (RTQ-R). A partir desta análise, identificou-se a classificação de eficiência energética que a residência obteria. A classificação pode variar de nível “A”, mais eficiente, a nível “E”, menos eficiente.

Análise das propriedades térmicas dos materiais

Arquitetura: Ecodhome

Fotografias: Divulgação

Para obter nível elevado de eficiência energética é necessário o atendimento aos pré-requisitos determinados na metodologia do RTQ-R. Alguns desses pré-requisitos são os relacionados com a envoltória da edificação, nos quais precisam atender ao limites exigidos apresentados na Tabela 3.1 do RTQ-R.

A tabela abaixo apresenta os valores calculados de transmitância térmica, capacidade térmica e absortância das paredes externas da residência. Observa-se que em todos os ambientes atende-se aos limites.

A tabela abaixo apresenta os valores calculados de transmitância térmica, capacidade térmica e absortância das coberturas da residência. Observa-se que em um dos ambientes não atende ao limite.

Análise da ventilação natural

Para edificações situadas na zona bioclimática 3, ambientes de permanência prolongada e cozinha devem possuir percentual de aberturas mínimas de aproximadamente de 8% da área do piso. Portas de acesso principal e de serviço não são consideradas para somatória das aberturas efetivas para ventilação. A tabela seguinte apresenta o percentual para ventilação natural da edificação. Observa-se que em todos ambientes obtiveram percentuais de ventilação acima do mínimo exigido.

Análise da ventilação cruzada

Para atendimento de condições de conforto e higiene, o projeto deve permitir condições de escoamento de fluxo de ar.  A fachada com maior área de abertura efetiva sobre a somatória das aberturas das outras fachadas deve obter fator ≥ 0,25. Observa-se na tabela abaixo que, para a residência analisada, o fator de ventilação cruzada é maior que 0,25, portanto atendem ao pré-requisito.

Análise da iluminação natural

Em ambientes de permanência prolongada a soma das áreas de aberturas para iluminação natural desses ambientes deve corresponder a 1/8 da área do piso, para obter nível A. Para outros ambientes a soma das áreas de aberturas para iluminação natural desses ambientes deve corresponder a 1/10 da área do piso. A tabela abaixo apresenta os resultados do pré-requisito de iluminação natural para a residência.

Um dos banheiros não atende o pré-requisito, porém o regulamento exige que apenas a maioria dos banheiros tenha abertura (50% mais um), atendendo, portanto, a exigência para o Nível A (Tabela abaixo)

Resultado

As plantas da residência apresentam as classificações alcançadas do desempenho térmico dos ambientes após a verificação dos pré-requisitos e principalmente após os cálculos de eficiência energética (metodologia completa no RTQ-R).

Classificação da ENVOLTÓRIA segundo o RTQ-R

Mediante todos os cálculos apresentados na metodologia do RTQ-R, segue a classificação da Ecohabitat. O Equivalente Numérico da Envoltória (EqNumEnv) representa análise final do desempenho térmico da envoltória da residência quando ventilada naturalmente e após verificação dos  todos os pré-requisitos. A residência atendeu a todos os pré-requisitos e, com isso, o projeto apresenta uma adequada ventilação natural e renovação de ar através da ventilação cruzada e um bom aproveitamento da iluminação natural.

A classificação do desempenho térmico da envoltória alcançou nível A de eficiência energética como apresentada na tabela abaixo.

14/03/2012 at 16:39 Deixe um comentário

Materiais e tecnologias mais sustentáveis – Parte 2

Qualidade interna do ar

Resina ecológica

Material usado para revestimento de piso, impermeabilizante com mais de 70% de matérias-primas naturais renováveis, entre elas o óleo de mamona. Sua composição não libera gases tóxicos durante ou depois de sua aplicação.

Tintas ecológicas

As tintas ecológicas, também chamadas de tintas naturais, não contêm nenhuma substância tóxica, a base de cal e minerais. Essas tintas podem ser fabricadas com recursos locais, da própria obra, e tem um custo bastante reduzido, apesar de não oferecerem um padrão de qualidade satisfatório.  Algumas empresas vêm fabricando tintas com qualidade bastante superior e de alta qualidade ambiental, que proporciona, principalmente, saúde aos habitantes.

Cola, selador verniz e stain a base de água

A cola é um produto muito utilizado para adesivos de contato. Já os seladores, são utilizados para proteção de madeira. Tanto a cola quanto os seladores a base de água, são produtos não fenólicos, sem odor, isentos de COVs e não agridem a camada de ozônio e garante a boa qualidade interna do ar.

Placa de gesso ecológica

As placas de gesso são utilizadas como forros. As chapas possuem propriedades acústicas e capacidade de melhorar a qualidade do ar nos ambientes internos, pois transformam partículas nocivas e odores em substâncias inofensivas. Como também são acústicas, promovem a absorção sonora contribuindo para o conforto dos ambientes.

Madeiras

A madeira é vastamente utilizada na construção civil, dentre elas, destacam-se as certificadas, as recicladas, as renovadas e as reutilizadas:

Madeira Taxodium

Madeira utilizada na produção de móveis, de origem canadense e de reflorestamento, é leve, com boa trabalhabilidade e resistente ao apodrecimento.

Madeira Teca

Madeira utilizada para a produção de móveis, esquadrias e pisos de qualidade para construção naval e decoração. São provenientes de árvores nativas das florestas tropicais do sudeste asiático, são madeiras de reflorestamento racional com certificação florestal do FSC.

Madeira de demolição

Madeira largamente utilizada para produção de móveis e revestimento de piso. São madeiras nobres de lei, em extinção, proveniente principalmente de antigas construções, como esquadrias, assoalhos. Possibilita o reuso de peças que seriam descartadas, diminuindo a demanda por novas madeiras.

Bambu

O bambu é utilizado na construção civil, principalmente para a produção de móveis. É um material composto basicamente de longas fibras vegetais, muito resistente, possível de ser cultivado em solos pobres. É altamente renovável que pode substituir o uso de madeira, impedindo o corte indevido de árvores essenciais ao equilíbrio natural.

Madeira Lyptus

Madeira usada para confecção de móveis e para pisos de áreas internas. Possui alta qualidade e grande resistência mecânica produzida em escala comercial. Madeira totalmente obtida de fontes renováveis, originada de árvores plantadas, o que assegura um suprimento confiável ambientalmente sustentável.

Tamburato

Painéis estruturados usados para produção de móveis. É composto de duas camadas externas de partículas finas de madeira prensada e o miolo é uma colméia de papel reciclado. Possui certificação FSC e é um produto adequado para fabricação de móveis robustos, que exigem espessuras grossas, leveza no peso e excelente desempenho.

Madeira de redescobrimento

Madeira utilizada em objetos de decoração e móveis. Sua irregularidade e suas rachaduras constituem a originalidade da peça. É um material originado de espécies não comerciais nas quais são priorizadas as áreas em que a árvore apresenta desenhos, cores e veios únicos. A partir do manejo florestal sustentado, em acordo com os princípios ecologicamente corretos, os objetos e móveis são executados com resíduos de árvores caídas.

Pisos permeáveis

A manutenção da permeabilidade do solo tem sido um critério de sustentabilidade para muitas certificações verdes. Existem no mercado pisos permeáveis que drenam até 95% da água da chuva. Portanto, a água passa por filtragens naturais e é conduzida aos lençóis freáticos, evitando alagamentos e enchentes.

18/11/2011 at 16:42 Deixe um comentário

Materiais e tecnologias mais sustentáveis – Parte 1

Energia e água

LED

Chip emissor de luz que também é chamado de “SOLID STATE LIGHTING”, conhecido como “LED”. Sistema de iluminação com lâmpadas de “LED” possuem duração de 15 anos sem manutenção. Seu raio luminoso é livre de UV e de calor e seu tamanho compacto proporciona maior flexibilidade nos projetos. Uma tecnologia que supera a iluminação convencional, gerando uma economia que varia de 50 a 80 %.

Louças e metais econômicos

Torneiras e válvulas economizadora com sensor de presença, ideal para banheiros públicos, os sensores funcionam em 110v e 220v com baixo consumo de energia elétrica, em alta e baixa pressão de água.

Nas bacias sanitárias, permitem controle de fluxo com economia, com válvulas duplas de 3 e 6 litros que evitam desperdícios em mais de 60%.

Conforto termo-acústico

Vidros

Material muito utilizado para vedações, portas, janelas e divisórias. É um material não poroso e transparente que garante a iluminação natural e pode ser reutilizado várias vezes para a mesma finalidade.

Películas

Material para tratamento de vidros que visa melhorar o desempenho, rejeita até 79% da energia solar incidente no vidro, melhorando o conforto térmico do ambiente, bloqueiam também 99% dos raios ultravioleta, minimizando o desbotamento de objetos expostos ao sol.

Tecidos Green

Tecido usado em persianas e cortinas para proteção solar reduzindo a entrada de calor e a luminosidade excessiva. É isento de PVC e COVs. São mais seguros, pois, em caso de incêndio, não há emissão de fumaça densa nem quantidades mensuráveis de gás ácido hidroclorídrico, que é nocivo ao sistema respiratório.

Ecoplaca

Placas planas impermeáveis fabricadas com matérias-primas como alumínio, plástico e papel Cartão.  Possui alto poder de isolamento térmico e acústico e são obtidas do reprocessamento de resíduos industriais selecionados, gerados no pré e pós-consumo. Suas matérias-primas provêm geralmente de empresas do setor de embalagens.

Tijolos de solocimento

Tijolo composto de terra, cimento e água, utilizado na alvenaria estrutural e produzido sem o processo da queima, evita o desmatamento e, consequentemente, a poluição do ar. Elimina a quebra de paredes e o desperdício com materiais.

Placa de cortiça reciclada

Tecido vegetal utilizado para revestimento de paredes composto de 30% de cortiça extraída da casca do sobreiro e 70% reciclada de rolhas. É um material reciclado quando utilizado como revestimento possui um bom desempenho térmico-acústico.

Coberturas sustentáveis

O sistema ecotelhado, também conhecido como cobertura verde, é um jardim suspenso que pode ser instalado sobre diversas coberturas. Possui benefícios como, além de termo acústico, aumento da biodiversidade, influencia no microclima urbano, redução da emissão de CO2,aumento de área permeável. Segundo estudos da empresa pioneira em telhados verdes (Ecotelhado – Soluções em infraestrutura verde), o desempenho térmico do sistema ecotelhado pode ser comparado ao desempenho de isolantes térmicos como isopor (EPS) e poliuretano.

As coberturas brancas têm alta capacidade reflexiva e impedem os ganhos de calor pela radiação do sol em até 90%, diminui em até 6 graus a temperatura dentro das edificações, com isso reduz de 20% a 70% o consumo de energia ligado a refrigeração dos ambientes e melhora o conforto térmico no interior da edificação. Além disso, as coberturas brancas não criam uma superfície quente, melhorando também o microclima urbano. No mercado existem telhas brancas com camadas termoacústicas que aumentam ainda mais o desempenho térmico da cobertura

No Brasil, há também uma diversidade de telhas de material reciclado. Destacam-se: telhas feitas de garrafa pet, que suportam altas temperaturas e são mais leves; telhas de arestas de tubos de pasta de dente para a face externa e embalagens TetraPack para a face interna; telhas de fibra vegetal, indicadas para locais que dispensam forros e; telhas de plástico reciclado.

17/11/2011 at 18:59 Deixe um comentário

Posts antigos


Blog Vertes
O Blog Vertes compartilha ações integradas de sustentabilidade entre empresas, consultores, estudantes e interessados na área de sustentabilidade em edificações.

Tópicos recentes

Acesse o website da Vertes
Curta nosso Facebook
Siga nosso Twitter

%d blogueiros gostam disto: