Posts tagged ‘iluminação eficiente’

Primeira edificação nível A do país pela etiquetagem do INMETRO

Centro de Documentação e História da Saúde (CDHS)

Arquitetura: Cristiane Cabreira e Archi 5 Arquitetos Associados

Autores: Cristiane Cabreira, Alexandre Pessoa, Inês El-Jaick

Projeto luminotécnico: Vertes Arquitetura Bioclimática e Eficiência Energética

Localização: Manguinhos, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Área construída: 3.515.00 m²

Ano do projeto: 2006-2009

Segundo a arquiteta Cristiane Cabreira, o projeto do Centro de Documentação e História da Saúde  (CDHS) foi desenvolvido tendo como objetivo preservar, organizar e difundir os acervos arquivísticos e bibliográficos, pertencentes à Casa de Oswaldo Cruz/Fundação Oswaldo Cruz, e que se relacionam com a história das ciências biomédicas e da saúde no Brasil, em local adequado construído segundo as normas técnicas mais modernas e dotado de infraestrutura para preservação de acervos documentais.

Para o projeto do CDHS,  adotou-se critérios de sustentabilidade ambiental contribuindo para a política de desenvolvimento sustentável da instituição, para a implementação de energias renováveis e aproveitamento máximo possível de recursos naturais e principalmente para a preservação do meio ambiente.

As referências de sustentabilidade ambiental do projeto se basearam no procedimento francês Haute Qualité Environnementale (HQE®) para promoção da sustentabilidade em edificações. Neste sentido foram adotados sistemas de captação e reuso de águas pluviais, sistemas de resfriamento passivo e adoção de materiais menos impactantes no meio ambiente.

Com relação à otimização da eficiência energética da edificação, a Fundação  Oswaldo Cruz foi assessorada pela Vertes, para submeter o projeto à metodogia da Etiquetagem Nacional de Conservação de Energia (ENCE), do INMETRO. Neste âmbito, foram analisadas as propriedades térmicas dos componentes das paredes e coberturas. A envoltória da edificação apresentou um bom desempenho térmico e energético, devido à boa combinação das estratégias utilizadas, como isolante  termo-acústico nas coberturas, revestimentos externos claros, áreas envidraçadas com proteções solares, vidro com baixo fator solar (vidros que impedem ganhos excessivos de calor), entre outros.

Ainda, para alcançar a classificação mais elevada da ENCE, a edificação conta com sistemas eficientes de iluminação artificial (aproveitamento da iluminação natural, controle automático de desligamento, uso de luminárias, lâmpadas e reatores eficientes) e de condicionamento de ar (sistema com alto coeficiente de performance). Também, o projeto apresentou iniciativas que o bonificaram na classificação geral, como o uso de bacias de duplo acionamento, torneiras com arejadores e aproveitamento da água da chuva.

No dia 22 de setembro de 2011, a projeto recebeu a ENCE completa, sendo a primeira etiqueta nível A do país pelo método de simulação computacional.

Além disso, foram adotados critérios de acessibilidade universal conforme orientações da NBR 9050 – Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos.

Anúncios

13/03/2012 at 23:30 Deixe um comentário

Sustentabilidade: o equilíbrio necessário

A 3ª edição da revista Mercato Immobiliare apresenta uma novidade: a sustentabilidade como um de seus editoriais, afinal, não se trata de um modismo ou tendência, mas sim, tratar do desenvolvimento sustentável como uma necessidade global.

Como parte do editorial de sustentabilidade, a Vertes apresentou uma casa modelo, projetada pelo escritório Ecodhome,  chamada de Ecohabitat pela arquiteta responsável pelo projeto, Carine Nath.

Com intuito de ser modelo para quem quer construir de forma mais sustentável, o projeto serve como uma exposição de tecnologias sustentáveis, saudáveis e viáveis. Foi construída em Florianópolis [2009] e faz uso de diversas soluções de sustentabilidade:

Leia mais sobre a sustentabilidade em projetos na 3ª edição da revista Mercato Immobiliare.

Ecohabitat

Vitrine de tecnologias  de eficiência  energética e conforto ambiental, integradas a soluções arquitetônicas.

Projeto bioclimático

  • desenvolvido a partir de simulações computacionais para prever a iluminação e ventilação naturais, além de garantir o conforto térmico da casa sem uso de sistemas artificiais.

Terraço verde

  • para aumentar a cobertura verde minimizando o efeito das ilhas de calor.

Ocupação sustentável

  • a casa é compacta e ocupa uma porção pequena do terreno, o restante é tratado com paisagismo ecológico e revestimentos permeáveis para absorver as águas pluviais, evitando enchentes e criando maior integração com o ecossistema local.

  Materiais de baixo impacto

  • todos os materiais da obra foram selecionados rigorosamente e devem obedecer a alguns critérios de sustentabilidade: baixa emissão de poluentes, princípios de reciclagem, materiais regionais, madeiras certificadas, tintas de baixa emissão, entre outros.

  Sistema de água e esgoto ecológicos

  • a casa possui sistema de aproveitamento de água de chuva e de água potável e reusa as águas cinza (águas das lavações). As águas cinza passam por um tratamento natural por filtro plantado e é reaproveitada nos vasos sanitários.

  Iluminação eficiente

  • a iluminação diurna é sempre garantida por iluminação natural e a noturna é feita por lâmpadas eficientes como fluorescentes e leds.

18/01/2012 at 20:34 Deixe um comentário


Blog Vertes
O Blog Vertes compartilha ações integradas de sustentabilidade entre empresas, consultores, estudantes e interessados na área de sustentabilidade em edificações.

Posts recentes

Acesse o website da Vertes
Curta nosso Facebook
Siga nosso Twitter

%d blogueiros gostam disto: