Posts tagged ‘materiais sustentáveis’

Ecohabitat na Construir mais por menos

Ecohabitat – Casa modelo com projeto mais sustentável

A revista Construir Mais por Menos deste mês está com uma bela reportagem sobre a Casa Modelo. São 6 páginas de muita informação sobre a obra mostrando como uma casa sustentável pode ser econômica tanto na construção como na manutenção.

Arquitetura: Ecodhome

Fotografias: Divulgação

Para garantir a sustentabilidade da residência, foi realizada uma análise dos materiais e de índices de conforto ambiental pela VERTES, seguindo os critérios do RTQ-R. A partir dessa análise indentificou-se a classificação de eficiência  que residência obteria.

A Vertes esteve na Ecohabitat e pode verificar de perto as estratégias utilizadas, o conforto ambiental garantido pelos projetos de iluminação e ventilação natural adequados!

Veja também a análise completa Ecohabitat!

Anúncios

24/04/2012 at 16:29 Deixe um comentário

Ecohabitat – Uma construção mais sustentável – Análise de Eficiência Energética de ENVOLTÓRIA – Florianópolis/SC

Ecohabitat – Análise do desempenho térmico da ENVOLTÓRIA

Para garantir a sustentabilidade da residência, foi realizada uma análise dos materiais e de índices de conforto ambiental pela  VERTES, visando obter o nível de eficiência energética da edificação. Ainda, fez-se uma simulação da ENVOLTÓRIA, caso esta fosse submetida à etiqueta do INMETRO, seguindo os critérios do documento Requisitos Técnicos da Qualidade de Eficiência Energética de Edificações Residenciais (RTQ-R). A partir desta análise, identificou-se a classificação de eficiência energética que a residência obteria. A classificação pode variar de nível “A”, mais eficiente, a nível “E”, menos eficiente.

Análise das propriedades térmicas dos materiais

Arquitetura: Ecodhome

Fotografias: Divulgação

Para obter nível elevado de eficiência energética é necessário o atendimento aos pré-requisitos determinados na metodologia do RTQ-R. Alguns desses pré-requisitos são os relacionados com a envoltória da edificação, nos quais precisam atender ao limites exigidos apresentados na Tabela 3.1 do RTQ-R.

A tabela abaixo apresenta os valores calculados de transmitância térmica, capacidade térmica e absortância das paredes externas da residência. Observa-se que em todos os ambientes atende-se aos limites.

A tabela abaixo apresenta os valores calculados de transmitância térmica, capacidade térmica e absortância das coberturas da residência. Observa-se que em um dos ambientes não atende ao limite.

Análise da ventilação natural

Para edificações situadas na zona bioclimática 3, ambientes de permanência prolongada e cozinha devem possuir percentual de aberturas mínimas de aproximadamente de 8% da área do piso. Portas de acesso principal e de serviço não são consideradas para somatória das aberturas efetivas para ventilação. A tabela seguinte apresenta o percentual para ventilação natural da edificação. Observa-se que em todos ambientes obtiveram percentuais de ventilação acima do mínimo exigido.

Análise da ventilação cruzada

Para atendimento de condições de conforto e higiene, o projeto deve permitir condições de escoamento de fluxo de ar.  A fachada com maior área de abertura efetiva sobre a somatória das aberturas das outras fachadas deve obter fator ≥ 0,25. Observa-se na tabela abaixo que, para a residência analisada, o fator de ventilação cruzada é maior que 0,25, portanto atendem ao pré-requisito.

Análise da iluminação natural

Em ambientes de permanência prolongada a soma das áreas de aberturas para iluminação natural desses ambientes deve corresponder a 1/8 da área do piso, para obter nível A. Para outros ambientes a soma das áreas de aberturas para iluminação natural desses ambientes deve corresponder a 1/10 da área do piso. A tabela abaixo apresenta os resultados do pré-requisito de iluminação natural para a residência.

Um dos banheiros não atende o pré-requisito, porém o regulamento exige que apenas a maioria dos banheiros tenha abertura (50% mais um), atendendo, portanto, a exigência para o Nível A (Tabela abaixo)

Resultado

As plantas da residência apresentam as classificações alcançadas do desempenho térmico dos ambientes após a verificação dos pré-requisitos e principalmente após os cálculos de eficiência energética (metodologia completa no RTQ-R).

Classificação da ENVOLTÓRIA segundo o RTQ-R

Mediante todos os cálculos apresentados na metodologia do RTQ-R, segue a classificação da Ecohabitat. O Equivalente Numérico da Envoltória (EqNumEnv) representa análise final do desempenho térmico da envoltória da residência quando ventilada naturalmente e após verificação dos  todos os pré-requisitos. A residência atendeu a todos os pré-requisitos e, com isso, o projeto apresenta uma adequada ventilação natural e renovação de ar através da ventilação cruzada e um bom aproveitamento da iluminação natural.

A classificação do desempenho térmico da envoltória alcançou nível A de eficiência energética como apresentada na tabela abaixo.

14/03/2012 at 16:39 Deixe um comentário

Materiais e tecnologias mais sustentáveis – Parte 2

Qualidade interna do ar

Resina ecológica

Material usado para revestimento de piso, impermeabilizante com mais de 70% de matérias-primas naturais renováveis, entre elas o óleo de mamona. Sua composição não libera gases tóxicos durante ou depois de sua aplicação.

Tintas ecológicas

As tintas ecológicas, também chamadas de tintas naturais, não contêm nenhuma substância tóxica, a base de cal e minerais. Essas tintas podem ser fabricadas com recursos locais, da própria obra, e tem um custo bastante reduzido, apesar de não oferecerem um padrão de qualidade satisfatório.  Algumas empresas vêm fabricando tintas com qualidade bastante superior e de alta qualidade ambiental, que proporciona, principalmente, saúde aos habitantes.

Cola, selador verniz e stain a base de água

A cola é um produto muito utilizado para adesivos de contato. Já os seladores, são utilizados para proteção de madeira. Tanto a cola quanto os seladores a base de água, são produtos não fenólicos, sem odor, isentos de COVs e não agridem a camada de ozônio e garante a boa qualidade interna do ar.

Placa de gesso ecológica

As placas de gesso são utilizadas como forros. As chapas possuem propriedades acústicas e capacidade de melhorar a qualidade do ar nos ambientes internos, pois transformam partículas nocivas e odores em substâncias inofensivas. Como também são acústicas, promovem a absorção sonora contribuindo para o conforto dos ambientes.

Madeiras

A madeira é vastamente utilizada na construção civil, dentre elas, destacam-se as certificadas, as recicladas, as renovadas e as reutilizadas:

Madeira Taxodium

Madeira utilizada na produção de móveis, de origem canadense e de reflorestamento, é leve, com boa trabalhabilidade e resistente ao apodrecimento.

Madeira Teca

Madeira utilizada para a produção de móveis, esquadrias e pisos de qualidade para construção naval e decoração. São provenientes de árvores nativas das florestas tropicais do sudeste asiático, são madeiras de reflorestamento racional com certificação florestal do FSC.

Madeira de demolição

Madeira largamente utilizada para produção de móveis e revestimento de piso. São madeiras nobres de lei, em extinção, proveniente principalmente de antigas construções, como esquadrias, assoalhos. Possibilita o reuso de peças que seriam descartadas, diminuindo a demanda por novas madeiras.

Bambu

O bambu é utilizado na construção civil, principalmente para a produção de móveis. É um material composto basicamente de longas fibras vegetais, muito resistente, possível de ser cultivado em solos pobres. É altamente renovável que pode substituir o uso de madeira, impedindo o corte indevido de árvores essenciais ao equilíbrio natural.

Madeira Lyptus

Madeira usada para confecção de móveis e para pisos de áreas internas. Possui alta qualidade e grande resistência mecânica produzida em escala comercial. Madeira totalmente obtida de fontes renováveis, originada de árvores plantadas, o que assegura um suprimento confiável ambientalmente sustentável.

Tamburato

Painéis estruturados usados para produção de móveis. É composto de duas camadas externas de partículas finas de madeira prensada e o miolo é uma colméia de papel reciclado. Possui certificação FSC e é um produto adequado para fabricação de móveis robustos, que exigem espessuras grossas, leveza no peso e excelente desempenho.

Madeira de redescobrimento

Madeira utilizada em objetos de decoração e móveis. Sua irregularidade e suas rachaduras constituem a originalidade da peça. É um material originado de espécies não comerciais nas quais são priorizadas as áreas em que a árvore apresenta desenhos, cores e veios únicos. A partir do manejo florestal sustentado, em acordo com os princípios ecologicamente corretos, os objetos e móveis são executados com resíduos de árvores caídas.

Pisos permeáveis

A manutenção da permeabilidade do solo tem sido um critério de sustentabilidade para muitas certificações verdes. Existem no mercado pisos permeáveis que drenam até 95% da água da chuva. Portanto, a água passa por filtragens naturais e é conduzida aos lençóis freáticos, evitando alagamentos e enchentes.

18/11/2011 at 16:42 Deixe um comentário

Materiais e tecnologias mais sustentáveis – Parte 1

Energia e água

LED

Chip emissor de luz que também é chamado de “SOLID STATE LIGHTING”, conhecido como “LED”. Sistema de iluminação com lâmpadas de “LED” possuem duração de 15 anos sem manutenção. Seu raio luminoso é livre de UV e de calor e seu tamanho compacto proporciona maior flexibilidade nos projetos. Uma tecnologia que supera a iluminação convencional, gerando uma economia que varia de 50 a 80 %.

Louças e metais econômicos

Torneiras e válvulas economizadora com sensor de presença, ideal para banheiros públicos, os sensores funcionam em 110v e 220v com baixo consumo de energia elétrica, em alta e baixa pressão de água.

Nas bacias sanitárias, permitem controle de fluxo com economia, com válvulas duplas de 3 e 6 litros que evitam desperdícios em mais de 60%.

Conforto termo-acústico

Vidros

Material muito utilizado para vedações, portas, janelas e divisórias. É um material não poroso e transparente que garante a iluminação natural e pode ser reutilizado várias vezes para a mesma finalidade.

Películas

Material para tratamento de vidros que visa melhorar o desempenho, rejeita até 79% da energia solar incidente no vidro, melhorando o conforto térmico do ambiente, bloqueiam também 99% dos raios ultravioleta, minimizando o desbotamento de objetos expostos ao sol.

Tecidos Green

Tecido usado em persianas e cortinas para proteção solar reduzindo a entrada de calor e a luminosidade excessiva. É isento de PVC e COVs. São mais seguros, pois, em caso de incêndio, não há emissão de fumaça densa nem quantidades mensuráveis de gás ácido hidroclorídrico, que é nocivo ao sistema respiratório.

Ecoplaca

Placas planas impermeáveis fabricadas com matérias-primas como alumínio, plástico e papel Cartão.  Possui alto poder de isolamento térmico e acústico e são obtidas do reprocessamento de resíduos industriais selecionados, gerados no pré e pós-consumo. Suas matérias-primas provêm geralmente de empresas do setor de embalagens.

Tijolos de solocimento

Tijolo composto de terra, cimento e água, utilizado na alvenaria estrutural e produzido sem o processo da queima, evita o desmatamento e, consequentemente, a poluição do ar. Elimina a quebra de paredes e o desperdício com materiais.

Placa de cortiça reciclada

Tecido vegetal utilizado para revestimento de paredes composto de 30% de cortiça extraída da casca do sobreiro e 70% reciclada de rolhas. É um material reciclado quando utilizado como revestimento possui um bom desempenho térmico-acústico.

Coberturas sustentáveis

O sistema ecotelhado, também conhecido como cobertura verde, é um jardim suspenso que pode ser instalado sobre diversas coberturas. Possui benefícios como, além de termo acústico, aumento da biodiversidade, influencia no microclima urbano, redução da emissão de CO2,aumento de área permeável. Segundo estudos da empresa pioneira em telhados verdes (Ecotelhado – Soluções em infraestrutura verde), o desempenho térmico do sistema ecotelhado pode ser comparado ao desempenho de isolantes térmicos como isopor (EPS) e poliuretano.

As coberturas brancas têm alta capacidade reflexiva e impedem os ganhos de calor pela radiação do sol em até 90%, diminui em até 6 graus a temperatura dentro das edificações, com isso reduz de 20% a 70% o consumo de energia ligado a refrigeração dos ambientes e melhora o conforto térmico no interior da edificação. Além disso, as coberturas brancas não criam uma superfície quente, melhorando também o microclima urbano. No mercado existem telhas brancas com camadas termoacústicas que aumentam ainda mais o desempenho térmico da cobertura

No Brasil, há também uma diversidade de telhas de material reciclado. Destacam-se: telhas feitas de garrafa pet, que suportam altas temperaturas e são mais leves; telhas de arestas de tubos de pasta de dente para a face externa e embalagens TetraPack para a face interna; telhas de fibra vegetal, indicadas para locais que dispensam forros e; telhas de plástico reciclado.

17/11/2011 at 18:59 Deixe um comentário

Projeto sustentável

Um projeto sustentável deve ser ecologicamente correto, socialmente justo e economicamente viável, envolvendo com isto muitas variáveis, entre as quais a seleção dos materiais se destaca como uma das principais premissas. Alguns aspectos principais sobre o uso dos materiais que podem ser destacados na dimensão ambiental são:

  • Reuso da edificação
  • Gestão de resíduos da construção
  • Reuso e recursos
  • Conteúdo reciclado
  • Uso de materiais regionais
  • Materiais de rápida renovação
  • Uso de madeira certificada
  • Uso de materiais de baixa emissão de gases

O Edifício Sustentável incorpora uma vasta gama de práticas e técnicas para reduzir ou eliminar o impacto dos edifícios ao meio ambiente, dentre elas, a especificação de materiais “verdes”.  Os materiais tipicamente considerados “verdes” incluem materiais renováveis como o bambu e a palha, madeira certificada, pedra, metal reciclado, e outros produtos que são não-tóxicos, reutilizável, renovável ou reciclável. Os materiais de construção devem ser extraídos e manufaturados localmente para minimizar a energia embutida em seu transporte.

Materiais de baixo impacto ambiental são usados sempre que possível: por exemplo, o isolamento pode ser feito com materiais de baixa emissão de componentes orgânicos voláteis (contaminantes do ar interno que possuem odor, que causem irritação e/ou são prejudiciais para o conforto e bem-estar dos instaladores e ocupantes). Pinturas orgânicas ou a base de água podem ser usadas.

Materiais de demolição e reciclados são também usados quando apropriado. Quando edifícios velhos são demolidos, frequentemente peças de madeira pode ser reciclada, renovada, e vendida como assoalho. Outras partes são também reutilizadas, como portas, janelas, vigas e peças de metal, reduzindo assim o consumo de itens novos. Quando possível, alguns materiais podem ser retirados do local, por exemplo, se uma nova estrutura está sendo construída em uma área verde, a madeira das árvores que tiveram que ser cortadas pode ser reutilizada na construção.

Destacam-se alguns materiais e tecnologias sustentáveis, nos quais serão descritos na sequência de alguns posts. Aguarde!

28/10/2011 at 15:56 Deixe um comentário


Blog Vertes
O Blog Vertes compartilha ações integradas de sustentabilidade entre empresas, consultores, estudantes e interessados na área de sustentabilidade em edificações.

Tópicos recentes

Acesse o website da Vertes
Curta nosso Facebook
Siga nosso Twitter

%d blogueiros gostam disto: